Linfogranuloma venéreo: até o nome assusta

Linfogranuloma venéreo (LGV), é uma infecção causada por uma variedade da bactéria: a Chlamydia trachomatis. Provoca inchaço doloroso dos linfonodos. Se não for tratada, pode causar graves danos, principalmente em região retal ou intestinal, extremidades e inchaço dos órgãos genitais (elefantíase). Em casos graves, pode atacar o sistema nervoso central.

 

 

Sinonímia:

 

  • Doença de Nicolas-Favre
  • Mula
  • Bubão
  • Bubão climático
  • Bubão escrofuloso
  • Bubão tropical 
  • Linfogranuloma inguinal
  • Quarta moléstia venérea
  • Poroadenite inguinal
  • Supurada inguinal
  • Linfogranulomatose inguinal subaguda
  • Úlcera venérea adrenógena
  •  

    Incidência e Prevalência


    LGV é relativamente raro na maioria dos países industrializados, onde se infecta uma média de 250 a 400 pessoas por ano, a maioria homens, com idades entre 15 e 24 anos. A prevalência é maior no Sudeste da Ásia, África, América Central e do Sul e no Caribe, daí o nome “bubão tropical.”

     

     

    Causas

     

    LGV é transmitido pelo contato sexual direto com os órgãos genitais, reto ou boca. Uma vez no corpo, as bactérias reproduzem nos gânglios linfáticos. Ele pode ser mais associado com o sexo anal e homens que têm sexo com homens. Recém-nascidos podem contrair a doença de mães infectadas durante o nascimento.

     

    Formas de contágio

     

    A transmissão do linfogranuloma venéreo se dá por via sexual.

     

     

    Sinais e Sintomas

     

    Fase inicial:

     

    Bolhas podem aparecer quando as bactérias entram no corpo, mas nem sempre. Elas freqüentemente desaparecem rapidamente, sem deixar cicatriz. Estes sinais geralmente aparecem dentro de três dias a um mês após a exposição.

    Segunda fase:

     

      Os sintomas são mais acentuados e geralmente começam uma a duas semanas após os sintomas aparecerem na fase inicial. Os gânglios linfáticos localizados próximo ao local da infecção, geralmente na virilha, incham, e doem, pode haver inchaço e formação de pus (bubão). Bubões podem crescer tão grandes como um limão, a pele e sobre eles pode ficar azul. Eles são geralmente acompanhados de dor latejante, febre, mal-estar ou dor de cabeça. Em cerca de 30 % dos casos, a drenagem de bubão através da pele. A drenagem de forma contínua permanece, e pode ser infectada por outras bactérias. O bubão pode demorar meses para cicatrizar completamente e muitas vezes deixam uma cicatriz.

     

    Terceira fase:

     

    Elefantíase do pênis, escroto, vulva. Inflamação crônica e estreitamento do reto.

     

     

     O período de incubação do LGV pode ser de 7 a 30 dias

     

    Exames


    O diagnóstico laboratorial não é rotina, geralmente é feito em bases clínicas. Mas existem quatro tipos de exames: o de fixação de complemento, que identifica anticorpos contra todas as infecções por clamídia, o de microimunofluorescência, por cultura e o exame histopatológico.



    Prevenção

     
    Uso do preservativo em todas relações sexuais e higienização dos órgãos genitais após o ato sexual.

     

     



    Tratamento

     
    Consiste no tratamento das feridas. São utilizados medicamentos à base de antibióticos que, entretanto, não revertem sequelas, tais como o estreitamento do reto e a elefantíase dos órgãos sexuais. Quando necessário, também é feita a aspiração do bubão inguinal. O parceiro também deve ser tratado.