Formiga / MG - quarta-feira, 01 de outubro de 2014

Hidrocele: Pode te deixar de saco cheio

Introdução

 

A hidrocele é uma coleção de líquido dentro do escroto ou ao longo do cordão espermático. Essas coleções podem representar conexões persistentes com o desenvolvimento ao longo do cordão espermático ou um desequilíbrio de fluidos de produção versus absorção. Em casos raros, coleções similares podem se desenvolver ao longo do canal de Nuck no sexo feminino. 

 

Por si só, hidroceles não representam um grande risco de conseqüências clínicas. No entanto, a possibilidade da hidrocele se avolumar, ou associação com patologia subjacente escrotal, como hérnias, ou outras lesões, exige que hidroceles sejam avaliadas com a devida prudência. 

 

 

 

 

História

 

A primeira descrição de hidrocele é atribuída a Galeno em 176 dC. No entanto, a descrição clara da anatomia inguinal e sua relação com hérnias e hidroceles não foi registrada até o século 19.

 

 

  

 

 

Problema

 

A presença de líquido no interior do escroto dá pouco impacto clínico ao testículo. No entanto, determinar a causa do aumento líquido, excluir qualquer patologia associada clinicamente significativa, continua a ser a principal preocupação em relação à hidrocele. Uma vez que outra patologia esteja excluída, um desconforto local pode indicar a necessidade de intervenção cirúrgica.

 

 

 

 

 

Freqüência

 

Processo vaginal patente favorecendo uma hidrocele é encontrado em 80 a 90% dos recém-nascidos do sexo masculino nascidos a termo. Esta taxa de frequência diminui progressivamente até a idade de dois anos, quando ele aparece ao platô em cerca de 25 a 40%. Na verdade, uma autópsia em série de homens identificou uma taxa de freqüência de 20% do processo vaginal patente restante até o final da vida. Entretanto, clinicamente hidroceles são evidentes em apenas 6% dos homens prazo para além do período neonatal. Certas condições, tais como apresentação pélvica, uso de hormonios gestacionais e baixo peso ao nascer, têm sido associados com um risco aumentado de hidroceles. 

 

 

 

 

 

 

 

 

Etiologia

 

Em crianças, a maioria das hidroceles é do tipo de comunicação, em que a permeabilidade do processo vaginal permite o fluxo do líquido peritoneal do abdome para o escroto, particularmente durantemanobras de esforço.

 

Na população adulta, a filariose, uma infecção parasitária causada por Wuchereria bancrofti, contribiui para a maioria das causas de hidroceles em todo o mundo, afetando mais de 120 milhões de pessoas em mais de 73 países. No entanto, esta condição é praticamente inexistente em alguns países, outras causas predominam. Após a cirurgia laparoscópica ou transplante no sexo masculino, pode ocorrer hidrocele em pacientes com processus vaginalis patente ou uma pequena hérnia. O cuidado de aspirar líquido no final de procedimentos laparoscópicos ajuda a evitar esta complicação. Em hidroceles não comunicantes, tanto para crianças e adultos, o equilíbrio entre a produção de fluído dentro da túnica e da absorção do líquido está alterado.

 

 

 

 

 

Fisiopatologia

 

A fisiopatologia da hidrocele consiste em um desequilíbrio na produção e absorção do líquido escrotal ou em uma comunicação persistente com a cavidade abdominal:

 

 

 

 

 

 - Hidroceles comunicantes

 

Com a comunicação, o simples esforço abdominal justificaria a clássica variação no tamanho de hidroceles durante os ciclos de noite-dia. Cronicamente aumento da pressão intra-abdominal (por exemplo, como na doença pulmonar crônica) ou aumento da produção de líquido abdominal (por exemplo, crianças com derivações ventriculoperitoneais) justificaria uma intervenção cirúrgica precoce.

 

 

 

 

 

 - Hidroceles não-comunicantes

 

Nestes casos, a fisiopatologia pode ocorrer como resultado do aumento da produção de fluído ou como conseqüência da absorção prejudicada. O aparecimento súbito de hidrocele escrotal em crianças mais velhas foi observado após doenças virais. Após um trauma é provável que ocorra secundária ao aumento da produção de líquido seroso devido à inflamação subjacente. Embora rara, as infestações filariais são uma causa clássica da diminuição da absorção do líquido linfático, resultando em hidroceles.

 

 

 

 

 

Apresentação clínica

 

Hidroceles normalmente se manifestam como um volume no escroto. Quando a hidrocele não é tão grande, o testículo é palpável ao longo da face posterior no escroto. Quando o escroto é examinado com um feixe de luz focalizado, a transiluminacao revela um brilho homogêneo, sem sombras internas.

 

 

Transiluminação de uma hidrocele

 

A incapacidade de delinear claramente ou palpar as estruturas intraescrotais, na presença de edema, febre ou outros sintomas gastrointestinais (por exemplo, vômitos, constipação, diarreia), ou o aparecimento de sombras internas sobre o transiluminador deve levantar a sugestão de um diagnóstico diferente ou alguma patologia associada. A ultrassonografia escrotal é uma boa opção para complementar a avaliação.

 

 

 

 

 

Indicações para intervenção cirúrgica 

 

 

Cirurgia de hidrocele

 

Indicações para intervenção em hidroceles incluem o seguinte:

 

  • Incapacidade de se distinguir de uma hérnia inguinal
  • Fracasso da hidrocele em se resolver espontaneamente após um intervalo adequado de observação
  • Impossibilidade de analisar claramente o testículo
  • Associação de hidroceles com outras patologias (por exemplo, torção, tumor)
  • Dor ou desconforto
  • Desejo do paciente

Contraindicação:

Uma punção aspirativa deve ser evitada pois pode levar a infecção.