Formiga / MG - quinta-feira, 31 de julho de 2014

Espermatocele: Uma das causas de nódulo no testículo

Introdução 

 

A espermatocele é uma acumulação benigna e cística de espermatozóides no cordão testicular. Embora muitas vezes assuste o paciente, quando observado, essas lesões são benignas. Espermatoceles podem se desenvolver em vários locais, que vão desde o testículo ao longo dos vasos deferentes. No entanto, são geralmente intra-escrotais e paratesticulares.

Geralmente lisas, macias e bem circunscritas, as espermatoceles são amplamente descritas como massas escrotais. Os diagnósticos diferenciais incluem, hérnia, cisto simples de epidídimo, varicocele, hidrocele e neoplasias. História, exame e ultrassonografia podem auxiliar na diferenciação.

Espermatoceles geralmente surgem a partir do caput (cabeça) do epidídimo, que está localizado na face superior do testículo.

 

A seção longitudinal do testículo. Idiopática ob ...

A secção longitudinal do testículo

 

 Por outro lado, hidroceles são coleções que cobrem a superfície anterior e lateral do testículo. A varicocele é uma dilatação do plexo de veias ao longo do cordão espermático. A hérnia resulta da patência persistente do processo vaginal permitindo que o conteúdo intra-abdominal passe para a extensão intra-escrotal. 

 

História

 

O termo espermatocele é derivado do grego spermatos (Esperma) e kele (Cavidade ou massa). Ela foi reconhecida há mais de 100 anos.

 

 

 

 

Pode ser um problema?

 

A espermatocele é uma acumulação cística de esperma que contém líquido normalmente decorrente da cabeça do epidídimo. É um achado comum benigno no exame físico de rotina e é geralmente menor que um cm. Menos comumente, podem ampliar a vários centímetros. Dor, desconforto ou distorção significativa resultante escrotal pode sugerir uma intervenção cirúrgica.

 

Freqüência

 

Espermatoceles têm sido por acaso identificada em 30% dos pacientes submetidos a ultrassonografia escrotal por outras razões. A prevalência exata desta condição comum ainda não foi definida.

 

Causa

 

A etiologia da espermatocele em humanos permanece indefinida. Várias etiologias têm sido propostas, mas nenhuma é universalmente aceita. Algumas hipóteses incluem que podem surgir a partir de dúctulos eferentes, de dilatações aneurismáticas do epidídimo, ou pode ser dilatação secundária à obstrução distal.

 

Fisiopatologia

 

A fisiopatologia específica continua a ser elucidada. Apesar de obstrução distal foi teorizado como um mecanismo potencial, a presença de espermatozóides móveis em até 80% sugere a manutenção da permeabilidade proximal.

 

Apresentação clínica

 

Normalmente, são assintomáticos. São freqüentemente achadas incidentalmente em um auto-exame testicular ou exame físico de rotina. Como eles costumam surgir a partir da cabeça do epidídimo, eles são encontrados superiormente ao testículo. Elas são lisas e esféricas e são transiluminascentes no exame. A falta de transiluminação sugere uma lesão sólida, que merece uma melhor avaliação, incluindo a ultrassonografia escrotal ou exploração inguinal. 

Diagrama de um espermatocele.

 

Indicações de correção cirúrgica da espermatocele 

 

A intervenção cirúrgica não está indicada para a espermatocele incidental e assintomática. No entanto, se a dor, desconforto, ou aumento progressivo é incômodo para o paciente, uma discussão sobre a excisão podem ser necessária. 

 

Espermatocele como visto antes da incisão.

Espermatocele: antes de iniciar uma cirurgia.

 

Contra-indicações: Puncionar nem sempre é uma boa opção

 

 

Uma punção aspirativa por agulha de uma espermatocele deve ser evitada, pois pode levar à infecção, o derrame de esperma pode irritar por dentro do escroto e do novo acúmulo espermatocele. A escleroterapia não é geralmente realizada em homens em idade reprodutiva, devido ao risco de epididimite química e danos à fertilidade.