Formiga / MG - terça-feira, 21 de outubro de 2014

Fratura de pênis: parece uma berinjela

Introdução   

 

O trauma peniano pode ser devido a vários fatores. Fratura peniana, a amputação do pênis, lesões penetrantes penianas: são consideradas emergências urológicas e normalmente requerem intervenção cirúrgica imediata.

Os objetivos do tratamento para o trauma do pênis são universais: evitar fibroses cicatriciais e a preservação do comprimento do pênis e função erétil.

    

 

 

 

 

A fratura peniana  

 

 

A fratura peniana é a ruptura traumática de corpo cavernoso. Ruptura traumática do pênis é relativamente incomum e é considerada uma emergência urológica. Um trauma abrupto ou súbita flexão do pênis em estado ereto pode romper a túnica albugínea, resultando em uma fratura do pênis. Um ou ambos os corpos cavernosos podem estar envolvidos, e ainda pode ocorrer uma lesão associada à uretra. O trauma uretral é mais comum quando os dois corpos cavernosos estão envovidos. A ruptura peniana geralmente pode ser diagnosticada com base apenas na história e exame físico, no entanto, em raros casos duvidosos, um ultrassom, cavernosografia ou ressonância magnética pode ser realizada. Se uma concomitante lesão uretral for suspeitada uam uretrografia retrógrada deve ser realizada. 

 

 

História

 

 

Historicamente, o tratamento conservador era considerado como tratamento de escolha para as fraturas do pênis. A terapia conservadora consiste compressas frias, compressão peniana, medicamentos antiinflamatórios, fibrinolíticos e derivação urinária suprapúbica se houverem lesões uretrais. Este conceito tem caído por causa do alto índice de complicações (29-53%) da terapia não cirúrgica. Complicações do tratamento conservador incluem lesão uretral não diagnosticada, abscesso do pênis, formação de nódulos no local da ruptura, curvatura peniana permanente, ereção dolorosa, coito doloroso, disfunção erétil, fístula corporouretral, fístula arteriovenosa e formação da placa fibrótica.

 

 

 

 

 

Freqüência

  

 

Trauma durante a relação sexual é responsável pela maioria de todos os casos. A parceira com a posição dominante é mais comumente relatada. O mecanismo de ação da intercorrência pode levar a constrangimento, fazendo com que os pacientes não procurem tratamento.  

 

 

 

 

Etiologia

  

No Hemisfério Ocidental fratura peniana geralmente ocorre durante a relação sexual, quando o pênis escapa da vagina e atinge o períneo ou a sínfise púbica. Outras possíveis causas incluem acidentes de trabalho, a masturbação, ferimentos à bala, ou qualquer outro trauma mecânico que force um pênis ereto.

 

 

 

 

            

 

Quanto mais ativa a posição da parceira, maior a chance de fratura de pênis

 

 

 

 

Homem com posição mais ativa: é pequena a possibilidade de fratura peniana.

 

 

 

 

 

 

Nos países do Oriente Médio, a lesão é geralmente devido à autoflagelação por manipulação do pênis para finalizar uma ereção.

 

  

 

 

No Irã é comum a fratura de pênis por autoflagelação: dobrar o pênis ereto

 

  

 

 Adicional causas mais raras incluem se virar na cama, um golpe direto, ou apressada remoção colocação de roupa, quando o pênis está ereto.

 

 

 

 

 

 

Fisiopatologia

 

O pênis é composto por três corpos de tecido erétil: os corpos cavernosos (esquerdo e direito) e do corpo esponjoso. Ambos os corpos cavernosos são contidos pela túnica albugínea. Todos os três corpora são cercados individualmente por fáscia Buck.

 

 

 

Todos os três cilindros corporais são capazes de alargamento considerável com ingurgitamento sangüíneo durante a ereção normal. Os corpos cavernosos são compostos de vasos que se enchem de sangue arterial durante a ereção.

 

 

 

As artérias pudendas interna fornecem o suprimento de sangue para o pênis e da uretra. Cada artéria se divide em artéria dorsal do pênis, a artéria cavernosa, e artéria bulbouretrais. A artéria cavernosa abastece o corpo cavernoso.

 

 

 

A fratura peniana

 

 

 

No estado flácido, fratura de pênis é muito rara, devido à mobilidade e flexibilidade do órgão. Durante uma ereção, o fluxo arterial para o pênis faz com que os corpos eréteis se ampliem longitudinal e transversalmente. Isso faz com que o pênis flácido se torne totalmente ereto e menos móvel. Como as alterações do pênis de um estado flácido para um estado ereto, a túnica albugínea de afina a partir de 2 mm para 0,25 a 0,5 mm, endurece e perde sua elasticidade. A expansão e a rigidez da túnica albugínea impedem o retorno venoso e são responsáveis pela manutenção da tumescência durante a ereção masculina. Uma flexão anormal do pênis em estado ereto pode causar um rasgo transversal de 0,5 a 4 centímetros na túnica albugínea. Uma fratura oblíqua ou irregular é menos comum. A lesão geralmente resulta em danos a um único corpo cavernoso, mas ambos podem estar envolvidos.

 

 

 

 

 

 

 

 

Apresentação

  

 

A apresentação clínica de uma fratura peniana geralmente é bastante simples. O diagnóstico é feito baseado na história e exame físico. A maioria ralata lesão peniana coincidente com o intercurso sexual. Os pacientes costumam relatar que a parceira estava acima, ocupando o pênis. Durante a relação sexual, o pênis escorrega, batendo no períneo ou no púbis do parceiro do sexo feminino. 

Os pacientes descrevem um estalo seguido de flacidez peniana imediata. Pode haver dor intensa, dependendo da gravidade da lesão. Ao exame físico, provas de lesão peniana são evidentes. Em uma fratura peniana típica, a aparência externa normal do pênis é completamente obliterada por causa da deformidade significativa, inchaço e equimose (a chamada "deformidade em berinjela”).

 

 

 

deformidade da berinjela. 

Aspecto típico após fratura peniana: Deformidade em berinjela.

 

 

 

Após a inspeção, o tecido macio do pênis se incha significativamente, existe equimose e formação de hematoma. O pênis é anormalmente curvo, geralmente em forma de S. O pênis é frequentemente desviado do seu eixo pelo efeito de massa do hematoma. Se a uretra também foi danificada, o sangue está presente no meato. Se a fáscia Buck está intacta a equimose, se limita ao eixo peniano. Se a fáscia Buck foi rompida, o inchaço e equimoses são contidos dentro da fáscia Colles. Neste caso, a equimose "em padrão de borboleta" pode ser observada ao longo do períneo, escroto, e parede abdominal inferior.

 

O pênis fraturado é por vezes muito sensível ao toque. Devido à gravidade da dor, uma análise global do pênis pode não ser possível. No entanto, uma análise criteriosa pose ser realizada em um paciente cooperativo. Um “sinal de rolamento” é a palpação do coágulo de sangue localizada sobre o local de ruptura. O coágulo pode ser sentido como uma massa discreta. Os pacientes com uma ruptura da veia profunda dorsal do pênis podem apresentar resultados semelhantes aos de uma fratura peniana: inchaço e equimose do pênis ("aspecto em beringela") estão presentes. Ferimento geralmente ocorre durante o intercurso sexual. Entretanto, o paciente normalmente não ouve um estalo ou um sente um estalo. Além disso, a detumescência não ocorre imediatamente. No entanto, devido aos achados muitos similares ao exame físico, uma ruptura da veia dorsal profunda deve ser explorada cirúrgicamente, pois muitas vezes é difícil diferenciá-la da fratura de pênis. Pacientes com hematúria, relato de dor para urinar pose haver concomitante trauma uretral. Aproximadamente 30% dos homens com fraturas penianas demonstram sangue no meato. Alguns pacientes também podem relatar experiências de retenção urinária aguda: hematoma periuretral causando uma obstrução da bexiga. Extravasamento urinário pode ser uma complicação tardia da lesão uretral. Simplesmente urinar não exclui lesão uretral e, portanto, atenção é necessária sempre que houver suspeita lesão uretral.

 

 

 

 

 

 

Tratamento é cirúrgico 

 

 

As indicações para intervenção cirúrgica imediata incluem a presença de sinais clínicos evidentes e sintomas de fratura de pênis. Estudos de imagem de diagnóstico não são normalmente necessários neste cenário. Os objetivos primários do tratamento cirúrgico são a acelerar o alívio dos sintomas dolorosos, para prevenir a disfunção erétil, para permitir a micção normal, e para minimizar as possíveis complicações devido à demora no diagnóstico. Atualmente, a grande maioria dos autores é a favor do reparo cirúrgico imediato, citando poucas complicações, o aumento da satisfação do paciente, estadias mais curtas do hospital e melhores resultados.   

 

fratura de pênis pequeno corpus envolvendo o direito ...  

Fratura de pênis 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pequena fratura de pênis que envolve o corpo cavernoso direito.

 

 



 

 

 

 

 

Mais grave fratura de pênis.  

Fratura mais grave de pênis