Ejaculação precoce: quando o sexo é mais rápido que o prazer

*       

 O que é ejaculação precoce?

 

É a ejaculação que acontece antes que o indivíduo deseje, antes ou logo após a penetração.

 

 

Introdução

 

A ejaculação precoce (também conhecida como ejaculação rápida) é o tipo mais comum de disfunção sexual em homens com menos de 40 anos. A maioria dos profissionais que tratam a ejaculação precoce define esta condição como a ocorrência da ejaculação, antes da vontade de ambos os parceiros sexuais. Essa definição ampla, assim, evita especificar uma duração exata para as relações sexuais, que é variável e depende de muitos fatores específicos para as pessoas envolvidas em relações íntimas. Um exemplo ocasional de ejaculação precoce não pode ser motivo de preocupação, mas, se o problema ocorre com mais de 50% de tentativas de relações sexuais, um padrão disfuncional geralmente existe para que o tratamento possa ser apropriado.  

Pelo fato de muitas mulheres serem incapazes de atingir o clímax em todo coito vaginal (não importa quão prolongada), esta situação pode realmente representar atraso no orgasmo da parceira, em vez de ejaculação precoce no sexo masculino, o problema pode ser em um ou em ambos, dependendo do ponto de vista. Isso ressalta a importância de obter uma história completa sexual do paciente (e de preferência do casal).  

A ejaculação precoce pode ser primária ou secundária. A ejaculação precoce primária se aplica a indivíduos que tiveram a condição, uma vez que se iniciou sexualmente. A ejaculação precoce secundária ocorre quando um indivíduo que já tinha um nível aceitável de controle ejaculatório e, por razões desconhecidas, manifesta a ejaculação precoce na vida adulta.  

 

  Qual a causa?  

 

Eventos da vida como iniciação sexual inadequada, dificuldades conjugais e conflitos sexuais (ideias distorcidas, crenças e mitos), podem desequilibrar a capacidade de reagir, aumentando a timidez, ansiedade e hostilidade, desencadeando uma resposta orgânica indesejada: a ejaculação precoce.

 

 

A ejaculação precoce é acreditada para ser um problema psicológico e não representa nenhuma doença orgânica conhecida com envolvimento do trato reprodutivo masculino ou lesões conhecidas no cérebro ou sistema nervoso.

 

De uma perspectiva evolutiva, a lógica seria que os homens que podem ejacular rapidamente serima mais eficazes para o sucesso em fertilização de uma mulher que os homens que necessitam de estimulação prolongada para chegar ao clímax. Os genes de um homem que ejacula rapidamente (mas não tão rapidamente que a ejaculação ocorre antes penetração) seriam mais prováveis de serem transmitidos às gerações seguintes. Em um sentido primitivo, um homem que não pôde completar o processo de fertilização rapidamente por ser empurrado ou morto por um adversárior por causa de sua vulnerabilidade evidente durante o coito, não passaria seus genes a gerações seguintes.

 

A ejaculação precoce tem sido historicamente considerada um distúrbio psicológico. Uma teoria é que os homens são condicionados por pressões da sociedade para chegar ao clímax rapidamente por causa do medo da descoberta, quando se masturbando enquanto adolescentes ou durante as primeiras experiências sexuais "no banco de trás do carro" ou com uma prostituta. Este padrão de realização rápida da liberação sexual é difícil de mudar nas relações conjugais ou de longo prazo. O fato de que a excitação e o orgasmo feminino necessitam de mais tempo do que a excitação do sexo masculino está sendo cada vez mais reconhecida, e isso pode resultar em um maior reconhecimento e definição de ejaculação precoce como um problema.

 

Alguns têm questionado se a ejaculação precoce é puramente um problema psicológico. Pesquisadores descobriram diferenças na condução nervosa e diferenças hormonais em homens que sofrem de ejaculação precoce em comparação com indivíduos normais. A teoria é que alguns homens têm hiperexcitabilidade ou a hipersensibilidade dos seus órgãos genitais, impedindo assim a regulação das suas vias simpáticas e atraso do orgasmo. Recentemente, um grupo de nervos na medula espinal lombar foi identificado como possível gerador de ejaculação. Este age nos caminhos excitatórios e inibitórios da dopamina no cérebro, que desempenham papéis importantes no comportamento sexual. Este conhecimento, embora ainda em pesquisa, fornece as bases para um eventual desenvolvimento de medicamentos destinados ao retardo da ejaculação.

 

Outras questões foram levantadas em relação aos fatores bioquímicos da ejaculação precoce. A testosterona tem um papel no reflexo ejaculatório. Níveis aumentados de testosterona em homens podem favorecer a ejaculação precoce. 

 

Freqüência

Cerca de 30 a 70% dos homens experimentam a ejaculação precoce. Várias pesquisas têm mostrado que muitos homens não revelam a ejaculação precoce a seu médico, possivelmente por causa de embaraço ou a sensação de que nenhum tratamento está disponível para o problema. Alguns homens podem não perceber ainda a ejaculação precoce como um problema médico. A  percentagem de homens que sofrem ejaculação precoce em algum momento de suas vidas pode ser maior. 

 

Complicações:

Nenhuma morbidade conhecido direta ou mortalidade resultados de ejaculação precoce. Indiretamente, a ejaculação precoce pode alterar a auto-estima, podem causar a disfunção conjugal, e pode favorecer uma depressão, Com suas conseqüências óbvias.

  

Idade

A ejaculação precoce pode ocorrer em praticamente qualquer idade na vida de um homem adulto. Como condição relatada, é mais comum em homens mais jovens (com idades entre 18 e 30 anos), mas também pode ocorrer em secundária à impotência em homens com idade entre 45 e 65 anos.

 

História clínica

 

Uma história médica geral deve ser tomada para outras condições médicas que possam ser relevantes. Por exemplo, se o paciente tem angina com medo de posterior alguma intercorrência cardíaca durante a atividade sexual, ele pode se apresentar com a ejaculação precoce quando o verdadeiro problema subjacente é a sua doença cardíaca e sua insegurança mental a respeito de sua doença cardíaca. Resolução do problema cardíaco geralmente resolve a ejaculação precoce, sem nenhuma terapia específica para a ejaculação precoce.  

·         Ejaculação precoce primária:

o    A história deve incluir perguntas sobre experiências sexuais precoces. Será que houve algum episódio traumático sexual enquanto criança ou adolescente? Um exemplo: ser descoberto por um dos pais durante a masturbação, com sentimentos de culpa subseqüente. Alternativamente, o paciente pode ter sido punido ou ameaçado de punição para a masturbação.

o    Informe-se sobre as relações da família do paciente enquanto ele estava crescendo. Como ele se relaciona com sua mãe, pai, irmão, irmã? Será que sua família tem uma história de incesto ou estupro?

o    Quais foram as relações entre colegas, e como? Ele tem outros amigos do sexo masculino, todos os amigos do sexo feminino? Como ele próprio conta em relação aos outros (por exemplo, inferior, superior, atlético, frágil, mais inteligente, menos inteligente)?

o    O paciente tem alguma dificuldade com o trabalho (ou escola, se ainda estudante)?

o    Qual é a atitude geral do paciente em relação ao sexo (ou seja, se é considerado sujo), e qual é a preferência sexual do paciente, fantasia e excitação padrão?

o    Será que o paciente teve uma rigorosa educação religiosa? Se assim for, o que ele ensinou sobre sexo?

o    Se a primeira experiência coital estava dentro de um relacionamento conjugal, que envolveu a ejaculação precoce desde o início, informações sobre preliminares, o jogo sexual sem coito entre os parceiros.

o    Pergunte sobre a atitude e a resposta sexual da parceira, se ela está tendo algum problema, como dispareunia.

o    Qual é a parte não-sexual do relacionamento? Será que a luta casal ou estão passando por uma luta pelo poder?

o    Pistas de estas e outras perguntas geralmente apontam para factores de causalidade que podem ser tratadas especificamente com terapia.

·         Ejaculação precoce secundária

o    Além de uma história médica geral, a história deve incluir detalhes sobre relacionamentos anteriores em que a ejaculação precoce não foi um problema para essa pessoa e qualquer relacionamento anterior em que episódios transitórios de ejaculação precoce ocorreram.

o    Na relação atual, a ejaculação precoce foi sempre um problema ou isso começou depois de um período. Quando o coito foi satisfatório para ambos os parceiros?

o    Informe especificamente sobre a qualidade do relacionamento com relação a fatores não-sexuais. Os parceiros se dão bem na maioria das questões, ou está presente algum conflito? Quem é dominante no relacionamento, ou é a relação geral de igualdade?

o    A parceira sexual do paciente o acompanha até a clínica? Se não, pergunte por quê. Ela pode considerar o problema como seu, em vez de apenas um problema do casal, que pode ser um dado importante.

o    Será que ele tem um problema de impotência?

o    Pode ser alcançado o coito real ou é impedido pela ejaculação precoce?

o    O paciente está experimentando a ejaculação precoce com a auto-estimulação (ou seja, masturbação), com estimulação pelo parceiro, ou apenas no coito?

o    Qual é o tempo necessário para a parceira atingir o clímax? Ela pode chegar ao clímax com a relação sexual, ou será que ela exige estimulação clitoriana direta (via oral ou manual) para poder chegar ao clímax?

o    Se o paciente tiver impotência sexual, se esta começou após a ejaculação precoce, o tratamento de ambas as condições podem ser necessárias, por vezes, a impotência resolve quando o paciente ganha confiança no controle de sua ejaculação. Se a ED começou inicialmente, a ejaculação precoce pode ser uma disfunção sexual secundária, que resolve quando o paciente está confiante em poder manter a sua ereção.

o    Clarificação destes e outros fatores geralmente se mostram muito úteis para chegar a um plano de tratamento.

 

  Qual o tratamento?

 

 

 
Através da combinação de psicoterapia com técnicas corporais e sexuais. O objetivo do tratamento é proporcionar momentos de reflexão sobre: as crenças e conhecimentos do indivíduo sobre sexo; sua percepção da experiência sexual; sensações afetivas e eróticas decorrentes dela. Os exercícios corporais como: atividade física regular, banho e massagem terapêutica são ideais para conseguir o relaxamento necessário para entregar-se à atividade sexual. Já os exercícios sexuais, servem para reestruturar o padrão resposta, acontecem em etapas que são avaliadas com a ajuda do profissional responsável e só avançam à medida que o objetivo da etapa anterior foi alcançado. Compreendem técnicas que são realizadas individualmente e com o auxílio da parceira. São exemplos: a “parada e compressão”, "parar e reiniciar" e o foco sensorial I e II. A parada e compressão” consiste em apertar o pênis na região logo abaixo da glande, durante a masturbação, no momento que o nível de excitação está mais elevado, interrompendo a sensação (geralmente também ocorre perda da rigidez da ereção).
O “parar e reiniciar” tem o objetivo de treinar a percepção de sensações genitais, para que a qualquer vontade de ejacular o indivíduo pare, respire profundamente e interrompa a excitação de forma voluntária.
O “foco sensorial I”, proporciona a aproximação gradativa do casal, ampliando as sensações prazerosas do contato sexual, com a exploração de diferentes intensidades e formas de toques, excluindo-se os genitais e com a proibição da penetração, para diminuir a ansiedade relacionada ao desempenho sexual.
O “foco sensorial II” é a ampliação do anterior, sendo permitido estimular criativamente as áreas genitais.